"No striker, no fun" por Filipe Vasconcelos

on .


Começa a ser doloroso ver uma superioridade global por parte da equipa do Marítimo ser posta em causa por ineficácia ofensiva. 2 jogos importantes em casa em poucos dias, com equipas superiores em teoria, onde o Marítimo foi superior no relvado e em que a finalização deitou tudo a perder. Assim não dá!

Para a Liga Europa, num jogo muito importante, praticamente decisivo para as aspirações de passar, empatamos a 1 com o nosso golo a ser marcado por um central. Ainda tivemos oportunidades para sair com os 3 pontos mas a aselhice dos nossos avançados (recuso-me a chamar falta de sorte como fez o nosso presidente) não permitiu fazer o mais importante.

Poderíamos estar agora numa posição mais confortável, um 2º lugar e ir na 5ª Feira a França com a convicção que o empate deixava tudo nas nossas mãos. Mas não, para podermos depender apenas de nós próprios não temos outra alternativa que não seja lutar pela vitória.

Já aqui escrevi que fora temos tido melhores resultados que em casa o que poderia ser um bom sinal. Mas temo que na Liga Europa essa teoria não se vá concretizar. Se no campeonato até estamos a ser superiores fora dos Barreiros, na Europa não vamos encontrar essas equipas que metem o autocarro a tapar a baliza. Por isso, acredito que será bem mais penoso lutar pela vitória em Bordéus.

Pior que o jogo europeu foi o do campeonato contra o Braga. Aí o domínio foi mais que evidente. As oportunidades foram quase exclusivamente nossas. Os golos? Bem, esses pertenceram ao Braga.

Esse jogo fica ainda marcado pela expulsão do Salin por protestos. Apesar da razão nesse lance em particular estar do lado do árbitro (os protestos foram realmente excessivos) nada disso teria acontecido se a falta do Eder tivesse sido assinalada. Não foi por isso que perdemos o jogo mas é por isso que vamos ao Dragão sem o titular na baliza.

O que esta equipa podia fazer caso o Fidélis e o Adilson fossem trocados por um avançado digno? Que não tivesse 2 tijolos nos pés, ou pelo menos soubesse posicionar-se para encostar a bola? Acredito que podíamos fazer muito mais. É que apenas força e boa vontade não é suficiente no futebol.

Este é um ponto essencial. Há muitas maneiras de jogar futebol, muitos estilos, muitas táticas. Nenhuma serve se não meterem a bola na baliza do adversário. E não é com pontas-de-lança que junto à pequena área rematam para a linha lateral que vamos lá.

Espero que o Natal seja generoso e seja possível de alguma forma trazer um avançado que consiga concretizar. Caso contrário, o mister Pedro Martins vai ter de recorrer à equipa B mais cedo ou mais tarde.

Saudações Verde Rubras